A fisiologia do poder acaba se impondo. Com seus inevitáveis traços tribais

Análise e Conjuntura Política

por Alon Feuerwerker – FSB Conjuntura

Não acredite na sinceridade do governante quando diz que a existência de uma oposição forte e a alternância são essenciais para as coisas andarem bem. É cascata. Todo líder deseja eliminar os oponentes ou cooptar (uma forma de eliminação), e perpetuar no poder a ele e/ou ao grupo.

Daí que, por exemplo, a higidez da assim chamada democracia representativa dependa não principalmente dos códigos escritos, mas de algum equilíbrio de forças. Se estiver suficientemente forte, o governante – qualquer um – dará, no popular, uma banana para os tais códigos.

E do que depende essa força? Principalmente da capacidade de impor o medo. Mas a eficácia da ameaça de punição será maior quanto mais apetitoso é o prêmio por se submeter. Por isso, no poder líderes cuidam de recompensar a tribo.

“Política não fisiológica” é um oxímoro. A política é o exercício da fisiologia que mantem vivo o organismo das relações de poder.

Se o primeiro ministério de Luiz Inácio Lula da Silva premiou essencialmente o PT, o gabinete inaugural de Jair Bolsonaro não obedece, para espanto de alguns, a fantasia do “critério técnico”. Leis da natureza são teimosas.

A equipe do governo sustenta-se essencialmente em quatro partidos: o PEM (Partido da Economia de Mercado), o PM (Partido dos Militares), o POC (Partido do Olavo de Carvalho) e o PLJ (Partido da Lava Jato). Siglas que mesmo não registradas no TSE ajudaram a construir o desfecho eleitoral.

Há também tribos não tão contempladas quantitativamente, mas ainda assim essenciais. O PA (Partido do Agronegócio) e o PE (Partido dos Evangélicos). Na extrema periferia do sistema, políticos não “puros” mas sortudos, sobreviventes da caça à política.

As legendas informais têm as características dos seus irmãos formais. Têm chefes, regras internas, programa. E uma disciplina a seguir, e portanto a ser imposta. Se não se investe energia para manter o edifício organizado, a tendência natural é desorganizar.

Uma diferença aparente de Bolsonaro para Lula é que este só tinha, a rigor, um partido para premiar. Mas se a coisa for olhada mais de perto fica claro que não era bem assim. O PT organizou-se como um partido de tendências, e o presidente precisou/decidiu contemplá-las todas.

As melancias vão se ajeitando na carroceria do caminhão conforme os solavancos da estrada. Algumas frutas despedaçam-se, outras caem no caminho. Isso não é problema. Onde está o xis da questão? Na capacidade de o presidente mediar os conflitos para uma resultante boa.

Aí é que mora o perigo. Que solução Jair Bolsonaro providenciará para o conflito entre os evangélicos e o agronegócio (e outros ramos do empresariado) em torno da mudança ou não da embaixada em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém? Uma hora o presidente vai ter de resolver.

Como fazer os políticos votar uma reforma da previdência que possa ser vendida ao público como justa e ao mesmo tempo preservar, ao menos em parte, as condições privilegiadas dos segmentos da burocracia estatal decisivos para a eleição do atual presidente da República?

A lista só vai crescer com o passar do tempo. Um dia alguém disse que o presidente dos Estados Unidos talvez se achasse o sujeito mais poderoso da Terra, mas não passava mesmo era de um guarda de trânsito. Organizando um tráfego mais ou menos caótico, mas um guarda de trânsito.

E tudo feito de um jeito de que possa ser explicado.

*

Solavancos são normais, mas a quantidade virou notícia neste início de governo. O primeiro impulso é dizer que as pessoas são incompetentes. Competência e incompetência são parâmetros algo subjetivos. Para objetivar, precisa complementar. Competência para fazer o quê?

Talvez o ruído esteja em outro lugar. Talvez as pessoas tenham sido escaladas não na melhor posição para cada uma delas. Faça você mesmo o teste. Simule um roque (o do xadrez) nas posições no Planalto. É uma simulação interessante. Em alguns casos divertida.

FSB Comunicação | Cenário – 15.1.19

Cenário – 15.1.19

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Fonte: Migalhas.

Timing das ruas

Os movimentos sociais tentam se organizar neste início de ano em torno de uma agenda que seja – ao mesmo tempo – forte, convincente e realista.

A tarefa é ingrata. E não só pelo fato de o novo governo ter virado do avesso a lógica de protesto.

Mobilizar grupos de interesse em torno de causas – sejam elas quais forem – virou atividade de risco.

Hoje em dia, a baixa aderência é apenas um entre tantos efeitos colaterais de um drama bem maior.

Estratégias criativas são máxima de sobrevivência, mas viraram artigo de luxo.

Mesmo as organizações mais estruturadas ligadas à cidade ou ao campo passam por crises.

Quase todas perderam parte da identidade que as fizeram chegar até aqui. Muitas enfrentam dificuldades financeiras.

Uma parcela considerável lida com os dois problemas e há quem tenha perdido líderes, referências e a capacidade de atrair/renovar quadros.

PT

Tripé da resistência

Parlamentares do PT começaram a discutir as linhas gerais de um plano de ação que será montado para monitorar e fazer frente ao governo Bolsonaro.

Serão formados 10 grupos de trabalho organizados por temas.

As prioridades de fevereiro são: reforma da Previdência, segurança pública e privatizações.

Máquina

Em acomodação

Em Brasília e nos estados, a ocupação de cargos em órgãos federais está longe do fim.

As trocas registradas no Diário Oficial revelam lentidão: muita gente indicada ainda não assumiu.

Transparência

Prestando contas

A edição de janeiro do Boletim sobre subsídios da União, elaborado pela Secretaria de Acompanhamento Fiscal, Energia e Loteria do Ministério da Economia, aborda os Fundos Constitucionais de Financiamento (FCFs).

Em 2016 e 2017, os subsídios atingiram, respectivamente, R$ 15,5 bilhões e R$ 13,4 bilhões.

O documento é um entre tantos outros de acesso livre que pretendem reforçar a transparência da gestão do recurso público.

Congresso

Passos do Planalto

A indicação do deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO) como novo líder do governo na Câmara – comunicada ontem pelo presidente Jair Bolsonaro – deve destravar outros movimentos do Planalto no Congresso.

O principal deles é tentar antecipar o clima para a votação da reforma da Previdência, mapeando pontos fortes e fracos da futura base aliada.

Emprego

Na largada

Dados setoriais que servem de insumos para as estatísticas do governo sugerem que as primeiras semanas do ano conseguiram sustentar pelo menos parte das frentes de emprego abertas na virada do ano.

A expectativa de resultados positivos está concentrada principalmente na performance do comércio.

Assim como em 2018, os motores tendem a ser os temporários e os informais.

AGENDA

Conselho de governo – O presidente Jair Bolsonaro participa às 9h da reunião do Conselho de Governo, no Palácio do Planalto.

Armas – Logo em seguida, Bolsonaro assinará o decreto que flexibiliza a posse de armas.

Comércio – O IBGE divulga hoje a Pesquisa Mensal de Comércio de novembro.

EDUCAÇÃO

Flux – Conheça a plataforma educativa Flux, idealizado pela Câmara dos Deputados. No site da Escola Virtual de Cidadania é possível ter contato com temas ligados a educação para democracia.

SABER

Teatro – O Festival de Verão e os cursos regulares oferecidos pelo Teatro Tablado.

SUSTENTÁVEL

Ar – Dados atualizados sobre a qualidade do ar em todo o país no site do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC).

TECH

Elétricos – Montadoras mostram carros totalmente elétricos e veículos híbridos que vão chegar ao mercado. Começa o Salão do Automóvel de Detroit.

BEM-ESTAR

Vida plena – No Havaí, a Polestar oferece “um estilo de vida dinâmico e meditação diária, projetos de yoga e oportunidades de aventura ao ar livre”.

 

FSB Comunicação – 9.1.19

Cenário – 9.1.19

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

 

Fonte: Migalhas.

Sinais da economia em janeiro

Não só porque a Bolsa acumula recordes e o dólar tenha recuado para a casa dos R$ 3,70, mas (ao que tudo indica!) 2019 começou mesmo diferente na economia.

As liquidações pós-Natal ajudaram a esvaziar os estoques do comércio. E embora a capacidade ociosa da indústria continue elevada, janeiro deu fluxo a mercadorias que estavam só aguardando os consumidores.

Alguns dos primeiros índices do ano estão em fase de consolidação. A partir da semana que vem, ganham as ruas e, no geral, tendem a ser animadores.

A expectativa de inflação para a primeira quinzena, por exemplo, é otimista. Desde dezembro passado, os preços evoluem de forma razoavelmente controlada.

Dados de crédito, o ritmo das vendas externas, o comportamento dos juros e o nível de endividamento das famílias também não devem – segundo as previsões de momento – fugir das tradições do período.

O ponto de atenção está (como sempre!) no emprego: o imenso passivo de 2018 resiste.

Mesmo a alavanca da informalidade tendo atuado e as ocupações temporárias sustentarem bolhas de contratações em determinadores setores, encontrar um emprego neste início de ano ainda é difícil.

Inflação

Como ficou

O IBGE divulgará depois de amanhã a inflação oficial (IPCA) de 2018, que deve ficar em torno de 3,70%.

Câmara

Passos de Maia

As primeiras semanas do ano têm se mostrado promissoras para o presidente da Câmara Rodrigo Maia.

A busca por apoio à reeleição ao comando da Casa não enfrentou (até agora!) nenhum sobressalto ou imprevisto incontornáveis.

O trabalho de bastidores com novatos e veteranos, além das pontes estabelecidas com o Planalto no tempo certo surtiram efeito.

PSL, DEM, PSDB, Pros, PR, PPS, PRB e PSD estão com Maia.

Governo

Multitemas

O Planalto e as pastas de maior peso na Esplanada reforçaram os pilares da agenda oficial dedicada à defesa da reforma da Previdência.

O movimento coordenado faz parte de uma estratégia definida ainda na semana passada para dar impulso ao debate nesses dias.

Parte do planejamento, no entanto, está tendo de se adaptar à realidade porque a dinâmica de governo assim determinou.

Infraestrutura, a questão das armas e da segurança pública nos estados, habitação e reforma agrária são alguns dos itens que passaram a concorrer com o tema central.

Oposição

O que está na mesa

As forças políticas que se organizam para fazer frente ao novo governo definiram focos prioritários de atuação a partir de fevereiro.

No Congresso, a disposição é ocupar espaços qualificados nas comissões temáticas e, se possível, influenciar nas disputas pelas presidências da Câmara e do Senado.

A outra frente de atuação está dedicada aos estados: as oposições querem articular temas que sejam caros aos governadores declaradamente contrários ao Planalto.

AGENDA

Gasolina – A Petrobras reduziu em 1,38% o preço da gasolina vendida nas refinarias. O litro do combustível passa a R$ 1,4337 a partir de hoje.

Bolsonaro – O presidente da República recebe, no Planalto, às 15h, a deputada eleita Joice Hasselmann (PSL-SP).

SABER

Museus + apps – Uma lista dos melhores aplicativos de museus que oferecem passeios virtuais.

SUSTENTÁVEL

Aves – Conheça o trabalho da National Audubon Society, uma das mais antigas organizações dedicadas à conservação e à ciência em atividade.

TECH

Efeito colateral – A paralisação do governo americano motivada por disputas políticas entre a Casa Branca e o Congresso atrapalha a indústria de tecnologia do país, informa a BBC.

BEM-ESTAR

Dietas – O relatório anual US News and World Report lista as melhores dietas de 2019.

FSB Comunicação|Cenário – 8.1.19

Cenário – 8.1.19

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

 

Fonte: Migalhas.

Gabinetes em transe

O entra e sai cotidiano registrado pela seção 2 mostra que a burocracia está quase do avesso – o que faz jus ao discurso de que as cadeiras de Brasília já não são mais cativas.

Há órgãos públicos onde o fluxo das trocas é intenso, acentuando o caráter emergencial que marca a transição de governo mais abrangente em quase 20 anos.

Em outros, as substituições seguem ritmo menos frenético porque assim se definiu ou, simplesmente, porque são lugares que estão no ‘ponto cego’ do Planalto (ao menos por enquanto!).

As superpastas registram taxas de renovação importantes, nos moldes de áreas do Executivo que sempre estiveram ligadas aos projetos estratégicos ou que por muitos anos foram vitrine.

Em todos os casos, saídas voluntárias ou estimuladas vão dando forma à nova administração.

Compõem um pacote de mudanças que pretende, ao mesmo tempo, alinhar os gabinetes a dinâmicas políticas e de ação diferentes daquelas até então instaladas.

Estados

Outro mundo

A onda de exonerações ainda não chegou aos Estados com a mesma força que atingiu a capital Federal.

Em sucessões anteriores – nesta mesma época do ano –, órgãos Federais com ramificações pelo país costumavam ser fatiados e rapidamente ocupados.

Sindicatos

Absorvendo

A estratégia do Planalto de partir para cima da burocracia tem sido alvo de debates internos nos sindicatos que representam o funcionalismo.

Uma das grandes questões é identificar o potencial dessa política de trocas para, em seguida, definir um plano de contenção.

Parte do cronograma de greves organizado no ano passado será adaptado pelas entidades.

Congresso

Questão de prioridade

Características incomuns à rotina de Brasília em janeiro têm sido acentuadas por causa da corrida pelas presidências da Câmara e do Senado.

Uma das mais emblemáticas é o fato de que a cidade não foi completamente esvaziada pelos políticos.

Economia

A vez da microagenda

As mudanças promovidas nas cúpulas dos bancos públicos inauguram uma face da comunicação de governo preocupada em interagir também com a microagenda.

Ganham relevância automática no debate público temas como crédito, juros ao cidadão, endividamento e acesso a investimentos.

Desenvolvimento

O Rio sem as Olimpíadas

Um estudo do Ipea mediu os impactos das Olimpíadas no município e na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Entre as principais conclusões está a de que o PIB per capita municipal do Rio de Janeiro seria 7,5% menor sem os Jogos de 2016.

AGENDA

Bolsonaro – O presidente, o vice e os 21 ministros se reúnem, às 9h, no Planalto, para o Conselho de Governo.

Indústria – O IBGE divulga hoje a pesquisa Industrial Mensal: Produção Física – Brasil de novembro de 2018.

Trump – O presidente americano, Donald Trump, fará hoje um discurso à Nação para defender a construção do muro na fronteira entre os EUA e o México.

SABER

Para crianças – Conheça o Joca, um jornal feito para o público infantil.

SUSTENTÁVEL

Lixo no mar – Um questionário on-line quer saber a percepção das pessoas sobre a poluição dos oceanos e o que elas têm a propor – o prazo vai até hoje.

TECH

CES 2019 – Acompanhe pelo Youtube o que acontece na maior feira de tecnologia do mundo, que começa hoje.

BEM-ESTAR

Sol em excesso – Um podcast produzido pelo Ministério da Saúde ressalta os cuidados para evitar a insolação.

Cenário – FSB Comunicação | 7.1.19

Cenário – 7.1.19

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

 

Fonte: Migalhas.

 

Fluxo de governo

Entre ruídos reais e outros nem tanto, a agenda do novo governo buscou os espaços que eram possíveis para se consolidar nestes primeiros dias.

Itens delicados e/ou polêmicos acabaram atropelando o cronograma, o que prejudicou parte da estratégia de furar as bolhas por etapas e de maneira estruturada.

Ideias que mexem com a área fiscal e com a rotina das pessoas tomaram a dianteira antes da hora, envolvendo muita gente.

Assim como a questão da Previdência naquilo que ainda carece de ajustes técnicos e políticos.

O desafio posto esta semana ao Planalto e aos ministérios mais ativos reside em dosar melhor o tempo e, em alguma medida, controlar a ansiedade.

Previdência

O texto

Se não for possível avançar nos trechos complexos, pelo menos a parte base da reforma da Previdência e seu provável curso no Congresso a partir de fevereiro serão colocados em discussão na reunião de amanhã do Conselho de Governo.

Governadores

Situação nos Estados

No fim de janeiro, governadores estarão em Brasília para dar continuidade às conversas com o Planalto e a equipe econômica sobre os rumos da Previdência e o apoio à reforma que está sendo elaborada pelo governo Federal.

Bancos públicos

Novas cúpulas

Jair Bolsonaro dará posse hoje aos presidentes da Caixa, Pedro Guimarães, Banco do Brasil, Rubem Novaes, e BNDES, Joaquim Levy.

A troca de guarda está alinhada a uma estratégia de curtíssimo prazo que prevê, entre outras coisas, 1) comunicação rápida das primeiras medidas e 2) balanços igualmente ágeis dos resultados obtidos com as ações.

Calendário

IBGE 2019

Estão disponíveis no site do IBGE todas as divulgações previstas para o ano.

Davos

Preparativos

O Fórum de Davos, na Suíça, já recebeu confirmações importantes de lideranças empresariais e políticos que estarão no encontro global entre os dias 22 e 25 deste mês.

Além de Bolsonaro, o vice-presidente chinês Wang Qishan e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, irão.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, que não pisa na reunião desde 2009, também pode participar.

AGENDA

Celular – Mensagens de alerta sobre o bloqueio de celulares irregulares habilitados nas redes das prestadoras a partir de hoje serão enviadas para os Estados do Nordeste, além de Minas Gerais, São Paulo, Amapá, Amazonas, Pará e Roraima.

Ônibus – A tarifa do ônibus municipal em São Paulo passa de R$ 4 para R$ 4,30 a partir de hoje.

SABER

Cozinha – O sucesso dos livros de culinária. Veja um dos muitos rankings dos títulos mais vendidos.

SUSTENTÁVEL

Água – Conheça a Associação Latino-americana de Dessalinização e Reúso de Água (Aladyr).

TECH

Inovação – Os rumos da realidade aumentada (RA) ou (AR), tecnologia que integra elementos e informações virtuais com o que é real. Assista aqui.

BEM-ESTAR

Férias – Um relatório divulgado no ano passado que atesta: tirar férias pode prolongar a vida.

JORNAIS

Ibama – Uma postagem do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, reabriu a crise com a atual direção do Ibama. No Twitter, Salles criticou um contrato do órgão para a locação de carros. (Folha de S.Paulo, O Globo e O Estado de S. Paulo)

Reação – O presidente Jair Bolsonaro retuitou a postagem de Salles e escreveu que o governo está “desmontando rapidamente montanhas de irregularidades”. Pouco depois, apagou o comentário. (Folha de S.Paulo, O Globo e O Estado de S. Paulo)

Estrutura – O anúncio feito pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, de que iria demitir 320 servidores de cargos comissionados para “despetizar” a pasta desarticulou momentaneamente o corpo técnico do Palácio do Planalto. (Folha de S.Paulo)

Congresso – O governo Bolsonaro quer criar um atalho no Congresso para agilizar a aprovação de projetos ligados principalmente à infraestrutura, numa tentativa de destravar investimentos. (manchete de O Estado de S. Paulo)

Empresas – Além das reformas macroeconômicas, o setor produtivo espera que o governo Bolsonaro adote outras medidas para dar mais competitividade ao país. (manchete do O Globo)

ICMS – Vinte Estados e o Distrito Federal aumentaram nos últimos dois anos várias alíquotas de ICMS para compensar perdas de arrecadação deixadas pelo déficit previdenciário que se aproxima de R$ 100 bilhões. (manchete da Folha de S.Paulo)

BNDES – O diretor financeiro do BNDES, Carlos Thadeu de Freitas, confirmou que o banco tem capacidade de devolver neste ano R$ 100 bilhões ao Tesouro Nacional. (O Estado de S. Paulo e Valor Econômico)

Urânio – O governo Bolsonaro pretende abrir, para empresas privadas, a pesquisa e a exploração de urânio, atividades que hoje são monopólio da União. (manchete do Valor Econômico)

Ceará – Os ataques criminosos no Ceará perderam força na quarta madrugada seguida de ações de bandidos. A noite de sábado, 5, foi a primeira com os 300 integrantes da Força Nacional no Estado. (todos os veículos)

FSB Comunicação – 14.12.18

Cenário – 14.12.18

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

 

Fonte: Migalhas.

Orçamento vai a voto

Último grande compromisso do Congresso este ano, o Orçamento 2019 está pronto para ser votado em plenário.

Depois de algum estresse localizado nas bancadas e ruídos públicos que acabaram tensionando o cronograma, a peça passou pela Comissão Mista.

Os parlamentares ajustaram parte do que havia sido proposto pelo Executivo – destaque para 1) o reforço de R$ 600 milhões no custeio da saúde e para 2) o aporte direto ao Bolsa Família, reduzindo com isso a dependência de créditos complementares.

O relatório final preserva verbas destinadas à autorização de reajustes ao funcionalismo e prevê ainda que o salário mínimo será de R$ 1.006 a partir de 1º de janeiro (aumento de 5,45%).

Outros números importantes são: PIB de 2,5%, inflação de 4,25%, Selic a 8%, taxa de câmbio em R$ 3,66 e meta de déficit primário de R$ 139 bilhões (veja o relatório final completo).

Datas

O dia

O presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (MDB-CE), faz planos e pretende convocar a sessão conjunta para votar o Orçamento na próxima terça-feira, 18.

A data, porém, pode ser remanejada algumas vezes.

Há eventos programados para os próximos dias que mexem diretamente com o quórum da Câmara e do Senado.

São votações de projetos pendentes e o período de diplomação dos parlamentares pelos TREs nos estados.

Tributária

Também passou

A semana chega ao fim com outra questão resolvida: a comissão especial da Câmara que analisa a reforma tributária (PEC 293/04) aprovou o relatório do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR).

O texto original (leia aqui) sofreu ajustes, o que permitiu o fluxo. As pontes erguidas entre os parlamentares e o futuro governo também ajudaram.

A questão central da proposta está alinhada ao mantra do presidente eleito Jair Bolsonaro e sua equipe: simplificar o sistema atual.

Recesso

Quase lá

Câmara e Senado param, oficialmente, a partir de 23 de dezembro.

Estados

A situação em RR

Sob intervenção Federal desde a última segunda-feira, 10, Roraima deverá receber R$ 225 milhões de auxílio financeiro da União na próxima semana.

O dinheiro vai ajudar a pagar salários do funcionalismo, a quitar parte dos fornecedores e a dar seguimento aos repasses devidos aos municípios.

AGENDA

Serviços – O IBGE divulga hoje a Pesquisa Mensal de Serviços referente a outubro.

Cidades – Também hoje o IBGE detalha o Produto Interno Bruto dos Municípios 2016.

Submarino – Será lançado ao mar hoje o Riachuelo, considerado o mais moderno submarino brasileiro. O presidente Michel Temer e o presidente eleito Jair Bolsonaro devem participar da cerimônia.

SABER

Artes – O artista chinês Ai Weiwei expõe suas obras no parque do Ibirapuera, em São Paulo, até 20 de janeiro de 2019.

SUSTENTÁVEL

Calmaria – No lugar dos badalados hotéis engolidos pelo furacão Irma, que atingiu as Ilhas Virgens Britânicas em 2017, barcos e iates cumprem o papel de hotéis no arquipélago, o que permite acordar cada dia em uma ilha diferente.

TECH

Nova fronteira – A gestora brasileira de fundos de participações voltada para o agronegócio Aqua Capital anunciou a criação de uma plataforma de produção e distribuição de defensivos biológicos.

BEM-ESTAR

Vacina – O Instituto Butantan e a farmacêutica MSD (Merck, nos EUA) anunciaram um acordo de colaboração para o desenvolvimento da vacina contra a dengue (saiba mais)

JORNAIS

Aéreas – O presidente Michel Temer assinou uma medida provisória que libera estrangeiros e permite o controle de companhias aéreas no país podendo chegar a 100% do capital. Hoje, esse limite é de 20%. (manchetes da Folha de S.Paulo, O Globo e Valor Econômico)

Coaf – O senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou que não fez “nada de errado” em relação à movimentação financeira de R$ 1,2 milhão de seu ex-assessor Fabrício Queiroz considerada atípica pelo Coaf. (todos os veículos)

CNI/Ibope – Pesquisa CNI/Ibope aponta que 75% dos brasileiros dizem concordar com as decisões tomadas até agora por Jair Bolsonaro e sua equipe de transição. Outros 14% avaliam que Bolsonaro está no caminho errado. (todos os veículos)

Marielle – A vereadora Marielle Franco (PSL) foi morta porque milicianos acreditaram que ela poderia atrapalhar os negócios ligados à grilagem de terras na zona oeste do Rio. As revelações são do general Richard Nunes, secretário da Segurança do Rio. (manchete de O Estado de S. Paulo)

Freixo – A polícia interceptou um plano de milicianos que pretendiam matar o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) durante um evento em Campo Grande, zona oeste do Rio. O atentado ocorreria amanhã, 15. (Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo)

Battisti – O ministro do STF Luiz Fux determinou ontem a prisão cautelar para fins de extradição do ex-ativista Cesare Battisti, condenado na Itália por quatro assassinatos nos anos 1970. (todos os veículos)

FSB Comunicação | Cenário – 13.12.18

Cenário – 13.12.18

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

 

Fonte: Migalhas.

Os robôs vencem

Ferramentas baseadas em inteligência artificial vão, aos poucos, ganhando espaço e relevância no dia a dia da administração pública.

O ano de 2018 pode ser considerado um marco nesse sentido.

Experiências se multiplicaram e a burocracia rendeu-se a soluções autônomas que auxiliam desde o trato com o cidadão até a checagem, organização e controle de dados.

A Controladoria-Geral da União, por exemplo, lançou um chatbot chamado ‘Cida’ que recebe, via Facebook, denúncias, sugestões e reclamações.

O STF inseriu o Judiciário nessa corrida e passou a utilizar o ‘Victor’, que converte imagens em textos, atua sobre o acervo e segmenta processos.

Já a Câmara dos Deputados trabalha com o ‘Ulysses’, que automatiza a informação de interesse público e, em breve, também vai classificar discursos e estudos técnicos.

Lógica semelhante adotou o Tribunal de Contas da União, que conta com ‘Alice’, ‘Sofia’ e ‘Mônica’ na varredura dos sistemas. O trio apoia o trabalho de fiscalização e a elaboração de contratos e licitações.

Choque

Produtividade + eficiência

Tanto no âmbito Federal como entre os Estados, há iniciativas em curso sendo debatidas pelas equipes de transição de governos que pretendem implantar e/ou aperfeiçoar processos e tecnologias.

Base

Trato com o Congresso

Depois dos encontros com as bancadas partidárias, Jair Bolsonaro e sua equipe mapearam oportunidades e riscos.

Está quase desenhado o primeiro rascunho de uma possível base de apoio parlamentar capaz de garantir a aprovação das reformas.

Sucessão

Efeito colateral

As eleições para as presidências da Câmara e do Senado terão mais peso do que o previsto pelo futuro governo na formulação da estratégia que será adotada em janeiro para convencer os parlamentares a apoiarem pautas do Planalto.

Estados

Ver e ser visto

Nos moldes do que têm feito nos últimos meses, governadores eleitos e reeleitos planejam novas ações conjuntas em Brasília.

O espírito da atuação em bloco é o de apontar problemas e discutir temas específicos, reforçando urgências e o espírito de cooperação com o Planalto em cada oportunidade.

Sindicatos

Temporada 2019

As centrais sindicais discutem internamente o calendário de protestos para o próximo ano.

A reforma da Previdência e a legislação trabalhista serão os alvos do primeiro trimestre.

AGENDA

Bolsonaro – O presidente eleito Jair Bolsonaro viaja hoje a São Paulo para nova avaliação médica.

Comércio – O IBGE divulga hoje a Pesquisa Mensal de Comércio de outubro.

Constituição – O Ipea e o Fórum das Federações (FoF) realizam hoje, em Brasília, o seminário 30 Anos de Constituição: o Federalismo Brasileiro em Perspectiva.

SABER

Artes – No Rio de Janeiro, duas novas exposições: Oito Décadas de Abstração Informal com obras de Tomie Ohtake, Antonio Bandeira, entre outros; e Modernos + com telas de Volpi, Pancetti, Malfatti e outros ases do modernismo brasileiro.

SUSTENTÁVEL

Mobilidade – Pesquisadores avançam no desenvolvimento de sistemas mais eficientes de armazenamento de hidrogênio para que veículos movidos a gás se tornem mais populares (em inglês).

TECH

Nova fronteira – Exercício de realidade virtual mostra para alunos grande semelhança entre a imersão tecnológica e o transporte a lugares imaginários experimentados por leitores em contato com obras escritas (em inglês).

BEM-ESTAR

Saúde – Terapia cognitivo-comportamental on-line reduz os sintomas em casos de depressão leve, moderada ou grave (em inglês).

JORNAIS

Trabalho – Jair Bolsonaro defendeu ontem mudanças nas leis trabalhistas para que elas se aproximem da informalidade. (manchete da Folha de S.Paulo)

Coaf – Jair Bolsonaro afirmou que está disposto “a pagar a conta” caso a investigação aponte irregularidade na movimentação de R$ 1,2 milhão de Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor de seu filho e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL). (todos os veículos)

Moro – O futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, deverá incluir no pacote de projetos contra o crime uma medida que prevê punição mais rigorosa para os condenados por corrupção ou desvio de dinheiro público. (manchete de O Estado de S. Paulo)

Frete – A AGU conseguiu derrubar uma liminar do ministro do STF Luiz Fux que suspendia a cobrança de multas das empresas que não estavam cumprindo a tabela do frete. (todos os veículos)

Juros – Em sua última reunião do ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa de juros em 6,5% ao ano. (todos os veículos)

Crédito – O forte aumento da demanda por crédito rural a juros controlados na safra 2018/19 começa a preocupar produtores, cooperativas, bancos e o governo. Cinco meses após o início da safra, algumas linhas de financiamento já estão com os recursos esgotados. (manchete do Valor Econômico)

Jovens – Estudo do Ipea mostra que 44,2% dos jovens graduados não trabalham em sua área de formação. Se consideradas todas as idades, o percentual é de 38%. (O Estado de S. Paulo e O Globo)

Mercosul – A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que o tempo está se esgotando para um entendimento comercial entre a União Europeia e o Mercosul. Segundo ela, o novo governo brasileiro tornará o tratado mais difícil de ser alcançado. (todos os veículos)

João de Deus – O Ministério Público de Goiás pediu a prisão preventiva do médium João de Deus, após a série de acusações de abuso sexual. (todos os veículos)