Cenário

por FSB Inteligência

quarta-feira, 24 de julho de 2019

 

O Brexit e o futuro dos negócios

O novo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, é um dos maiores entusiastas do Brexit e chega ao cargo sustentando o que sempre disse: o país deixará a União Europeia até outubro – com ou sem acordo.

Essa conjuntura ruidosa reforça a atmosfera de incertezas que abraça boa parte do mundo capitalista neste momento.

No caso das empresas exportadoras brasileiras, a insegurança mexe com nervos e planejamentos.

Um diagnóstico importante sobre o que é e o que esperar dessa ruptura foi elaborado pelo governo brasileiro e vem sendo utilizado como fonte de consulta por vários setores.

É uma espécie de ‘manual prático’ e está disponível aqui.

Entre os principais achados, registra-se o fato de que a maioria das companhias acredita que o Brexit vai impactar as exportações nacionais para o Reino Unido.

Nas previsões negativas estão, entre outras, 1) o aumento dos custos logísticos e alfandegários, 2) mais entraves relacionados às exportações via Europa, 3) alta de impostos de importação, 4) exigências de novos certificados, 5) novas barreiras tarifárias e não tarifárias e 6) muita incerteza no curto prazo.

O horizonte deverá ser atualizado em breve, mas as apostas são de que, mesmo com o recente acordo entre Mercosul e União Europeia, serão poucas as mudanças.

Mais Brexit

Copo meio cheio

Apesar da insegurança geral e de muitas dúvidas, alguns estudos pré-acordo Mercosul-União Europeia apontavam vantagens para as exportações brasileiras.

Um levantamento da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), por exemplo, indicou um incremento de até US$ 1 bilhão para as exportações brasileiras – inclusive levando em conta a possibilidade de uma saída litigiosa do Reino Unido.

Já a consultoria Bertelmann Stiftung calculou que o Brasil poderia obter ganhos comerciais de até 1,7 bilhão de euros ao ano se houver um “hard Brexit” e 940 milhões de euros sob um “soft Brexit”.

FMI

Novas previsões

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu (mais uma vez!) as estimativas de crescimento global.

Em 2019, a expectativa é de uma expansão de 3,2% – quarto recuo anunciado.

Para 2020, a aposta é de alta de 3,5% – há três meses, o FMI esperava crescimentos de 3,3% e 3,6%, respectivamente.

A revisão observa, principalmente, o mau desempenho dos mercados emergentes. Segundo o FMI, o crescimento “global deprimido” está mais evidente.

A disputa comercial entre EUA e China é outro fator relevante nos novos cálculos (veja mais).

Gás

Modelo incrementado

O governo tomou mais uma iniciativa para acabar com o monopólio da Petrobras no mercado de gás natural. Segue mirando a redução dos preços do insumo.

O Comitê de Monitoramento da Abertura do Mercado de Gás Natural vai coordenar as ações dos diversos agentes para tornar efetiva a quebra do monopólio.

Como consequência, o governo pretende garantir acesso de empresas privadas à infraestrutura de escoamento e transporte de gás natural para atingir a meta de reduzir o preço dos atuais US$ 14 por milhão de BTU para US$ 6 ou US$ 7.

Hoje, a Petrobras é responsável por 77% da produção nacional e por 100% da importação de gás natural. A estatal ainda é sócia de 20 das 27 distribuidoras que atuam no país.

No Brasil, mais de 80% do gás natural é consumido pela indústria e por usinas térmicas. Em março, os consumidores residenciais responderam por apenas 1% da demanda. Já os automóveis representaram 9% da demanda total.

Arrecadação

Alento aos cofres

A arrecadação federal registrou alta real (descontada a inflação) de 1,80% no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, atingindo R$ 757,5 bilhões.

Esse foi o melhor resultado para o semestre desde 2014, de acordo com a Receita Federal (leia aqui).

FGTS

Injeção

O governo anuncia hoje uma nova modalidade de saque das contas ativas e inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

As estimativas apontam para uma injeção de cerca de R$ 28 bilhões na economia neste ano.

Outros R$ 2 bilhões das contas do PIS/Pasep podem chegar às mãos dos brasileiros.

Os saques devem ser liberados a partir de setembro, época em que a indústria e o varejo já começam a se preparar para o Natal.

AGENDA

Planalto – O presidente Jair Bolsonaro comanda hoje, às 16 horas, cerimônia para anunciar a nova modalidade de saque do FGTS.

Indústria – A CNI divulga hoje a Sondagem Indústria da Construção.

EDUCAÇÃO

Inovação – Cursos que incentivam docentes a criar e a pensar diferente em sala de aula.

SABER

História – Um crânio achado na Grécia pode ajudar a reescrever as descobertas sobre o homem moderno.

SUSTENTÁVEL

Saneamento – O ranking que ilustra a atual situação do Brasil.

TECH

Investimento – A Microsoft e sua aposta de US$ 1 bilhão em uma empresa de inteligência artificial (saiba mais).

BEM-ESTAR

Saúde – A polêmica em torno do “viagra feminino” (leia aqui).