Cenário – 04.12.18

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

 

Fonte: Migalhas.

A economia agora e o que esperar de 2019

Balanços que antecipam o fechamento da economia neste ano indicam que a lentidão e o crescimento não uniforme vão influenciar 2019.

Dados oficiais projetam que o PIB saltará algo como 1,4% em 2018 e 2,4% no próximo período.

Olhando para o dia a dia da indústria, da agropecuária, do consumo das famílias e do investimento, os números são factíveis, mas não podem ser traduzidos de forma isolada.

Uma série de outras variáveis precisam convergir.

No campo das expectativas políticas, uma delas é a capacidade de o futuro governo tirar do papel as reformas que promete fazer. Outra é o Congresso Nacional ser ágil e compreensivo o bastante para também dar sua contribuição.

Do ponto de vista econômico, a realidade de momento não é das piores, o que ameniza as projeções para 2019.

A inflação está sob controle e isso é bom porque consolida uma perspectiva positiva de curto e médio prazos.

A aposta geral é de que os preços no acumulando do ano subam menos de 4% – dentro da meta. Para 2019, estão encomendados 1) taxa semelhante e 2) doses extras de otimismo.

Conjuntura

Questão fiscal, pacto federativo, emprego…

Debates paralelos tentam dar forma à passagem de 2018 para 2019.

O mercado, por exemplo, está especialmente curioso sobre o efetivo papel da União na tentativa de ajustar as próprias contas e de aprofundar o ajuste fiscal.

Os governadores – novatos ou veteranos – cobram do Planalto apoio para resolver velhos problemas de caixa.

Na sociedade está instalada a pressão sobre como o mercado de trabalho vai inaugurar o Ano Novo.

Congresso

A outra reforma

A Comissão Especial da Reforma Tributária da Câmara (PEC 293/04) tem reunião marcada para amanhã e colocou na pauta a votação do parecer do relator, deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR).

O texto de Hauly simplifica o atual sistema e já foi detalhado à equipe de transição.

Lula

O julgamento do dia

Está na pauta de hoje da Segunda Turma do STF o julgamento do habeas corpus apresentado pela defesa do ex-presidente Lula que pede a anulação do processo sobre o triplex do Guarujá/SP.

O pedido se baseia no fato de que o ex-juiz Sérgio Moro aceitou ser ministro do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Novo governo

Bolsonaro e os partidos

A rodada de conversas entre o presidente eleito e os partidos tem início hoje.

O cronograma desenhado pela equipe mais próxima a Bolsonaro estabeleceu roteiros e timings que vão valer para todas as legendas.

Tudo para que ninguém reclame depois.

Oposição

Análise comparativa

A forma como Jair Bolsonaro conduzirá as reuniões com os partidos e seus resultados vão servir de base para que a oposição molde a estratégia de contra-ataque para desgastar essa aproximação do futuro governo com o Congresso.

AGENDA

Indústria – O IBGE divulga hoje a Pesquisa Industrial Mensal: Produção Física – Brasil referente a outubro.

Bolsonaro – O presidente eleito chega a Brasília pela manhã e tem reuniões no escritório do governo de transição.

Corrupção – A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado realiza hoje audiência pública sobre o combate à corrupção. Foram convidados o ministro da Transparência, Fiscalização e Controladoria Geral da União, Wagner Rosário, e o coordenador da força-tarefa da Lava Jato, o procurador da República Deltan Dallagnol.

SABER

Livros – Recentemente lançado com mais de 700 páginas, ‘Os Contos’, de Lygia Fagundes Telles, traz todos os contos da maior escritora brasileira viva, hoje com 95 anos.

SUSTENTÁVEL

Água – A antiga tinta chinesa usada para caligrafia possui quase todas as qualidades necessárias para ajudar a purificar a água (em inglês).

TECH

3D – Cientistas avançam na modelagem matemática para tornar as imagens 3D mais realistas e aprimorar a visualização de tumores cancerígenos (em inglês).

BEM-ESTAR

Saúde – Exames de ressonância magnética mostram que golpes repetidos na cabeça resultam em mudanças cerebrais entre jovens jogadores de futebol americano (em inglês).

JORNAIS

Ministérios – O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou ontem que estrutura do governo de Jair Bolsonaro contará com 22 ministérios. (manchete de O Globo)

Estrutura – A Advocacia-Geral da União e o Banco Central terão status de ministério em um primeiro momento, mas devem perde-lo após mudanças legislativas. (todos os veículos)

Trabalho – Onyx Lorenzoni informou que o Ministério do Trabalho será extinto e suas atribuições serão fatiadas entre Justiça, Economia e Cidadania. (todos os veículos)

Guedes – Após o fatiamento do atual Ministério do Trabalho, a gestão do FGTS e do FAT ficará com o futuro ministro Paulo Guedes. Os dois fundos, juntos, representam um patrimônio de R$ 800 bilhões. (manchete de O Estado de S. Paulo)

Previdência – Onyx Lorenzoni indicou que o próximo governo não tem pressa de enviar a reforma da Previdência ao Congresso. (O Estado de S. Paulo)

Temer – Em manifestação ao ministro do STF Edson Fachin, a procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, afirmou que os pagamentos da empreiteira Odebrecht ao presidente Michel Temer e seus aliados configuraram o crime de corrupção, e não o de caixa 2. (Folha de S.Paulo, O Globo e O Estado de S. Paulo)

Palocci – A força-tarefa da Lava Jato pediu à Justiça Federal que o ex-ministro Antonio Palocci pague multa de US$ 20 milhões para permanecer em prisão domiciliar. (O Globo, Valor Econômico e O Estado de S. Paulo)

Moro – Sob o comando do ministro da Justiça, Sérgio Moro, a nova direção da Polícia Federal pretende reestruturar e reforçar o grupo responsável por investigar perante o STF crimes cometidos por ministros e políticos em exercício do mandato. (manchete da Folha de S.Paulo)

Contas – Dois processos da União no STF podem impactar as contas do próximo governo já em 2019. Um deles é sobre precatórios e o outro diz respeito às ações sobre o Fundo de Manutenção e de Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério. (manchete do Valor Econômico)

Mercado – O acordo entre EUA e China para cessar a guerra comercial por 90 dias animou os mercados. O Ibovespa avançou 0,35%, aos 89.820 pontos, renovando a máxima do fechamento. Já o dólar comercial caiu 0,35%, a R$ 3,842. (todos os veículos)