Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil (28/10) com 55,13% dos votos válidos.
Segundo o twitter do secretário de Petróleo e Gás do MME, Márcio Félix, os “setores de Óleo, Gás, Biocombustíveis, Energia e Mineração com excelentes perspectivas de crescimento após a eleição do novo Presidente da República”.
Vale lembrar alguns pontos das propostas do então candidato: transformar o setor elétrico em um dos principais vetores de crescimento e desenvolvimento do Brasil, com energia confiável, a preços justos e competitivos internacionalmente, onde o Nordeste pode se tornar a base de uma nova matriz energética limpa, renovável e democrática; manter a Eletrobras estatal; remover gradualmente as exigências de conteúdo local; manter a Petrobras estatal, porém, vender partes do refino, varejo e transporte;  dar maior destaque ao gás natural na matriz elétrica e energética nacional; fazer com que os licenciamentos ambientais sejam avaliados em um prazo máximo de três meses.
O presidente eleito Jair Bolsonaro já confirmou alguns ministros: no ministério da Fazenda, o economista Paulo Guedes; na Casa Civil, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS); no Ministério da Defesa, o general reformado Augusto Heleno; para Ciência e Tecnologia, o tenente-coronel da aeronaútica e astronauta brasileiro Marcos Pontes.