Atualizado |Governo SP: João Doria (programa) e sugestões nossas

Resultado de imagem para doria programa governo
Folha – UOL
Atualizado | ter – 16 out / 2018 – 18h02.

Por Nicholas Merlone

O candidato ao governo do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), traz suas propostas de governo, em programa elaborado pelo candidato e sua equipe de suporte.

Doria aborda temas de interesse para o povo paulista. Dentre outros, educação, saúde, cultura, segurança, direitos humanos e economia.

Na Educação, por exemplo, defende o ensino integral e a educação de qualidade, sem prejuízo da valorização dos professores.

Na Saúde, defende um sistema descentralizado com foco não só na atenção básica, mas também na aplicação de tecnologia nos tratamentos médicos.

Na Cultura, pretende ouvir diferentes profissionais para implantar com sucesso políticas culturais.

Na Segurança e nos Direitos Humanos, pretende valorizar as polícias para humana abordagem, bem como conferir atenção às guardas municipais.

Na Economia, defende a economia criativa, bem como políticas de incentivos de investimentos para pequenas e médias empresas, bem como para startups.

Para saber mais, veja o programa completo, aqui.

A seguir, apenas algumas sugestões nossas sobre Educação e Cultura.

A Educação e Cultura devem caminhar juntas. Acredito que o ensino integral seja válido. Porém, com aulas pelas manhãs, e, à tarde, com atividades culturais amenas, para não sobrecarregar os alunos. É certo que vivemos em tempos muito competitivos, porém acredito que seria interessante, como exemplo, oficinas de jornalismo e produção de textos literários; aulas de xadrez; músicas; culinária; esportes coletivos; saraus; visitas a museus e concertos; aulas de direito constitucional e político, consumidor, cidadania e finanças pessoais; criação e manutenção de blogs pelos alunos (onde praticariam a escrita e assumiriam papel de protagonistas na sociedade, pensando e agindo com olhar crítico) etc. Além disso, acredito fortemente na criação de diversas bibliotecas públicas pelas cidades, em cada bairro, em cada esquina. Isto incentivaria a leitura, promovendo a cultura.

Segurança Operacional e Meio Ambiente

A ANP realizou (10/10), no Rio de Janeiro, o VI Workshop de Segurança Operacional e Meio Ambiente onde apresentou ao mercado os dados de desempenho da indústria em 2017, que estarão disponíveis no relatório anual a ser publicado em breve no portal ANP.
O superintendente de Segurança Operacional e Meio Ambiente da ANP, Marcelo Mafra, afirmou que a Agência vem ampliando, nos últimos anos, os investimentos nessa área. “O objetivo é atuar de maneira mais intensa em quatros grandes frentes estratégicas: incremento da fiscalização em campo; regulamentos com foco em sistema de gestão orientados a desempenho e riscos; priorização de ações preventivas; e favorecimento das condições para otimização do licenciamento ambiental”.
Segundo ele, esses esforços já garantiram resultados importantes, como a redução do número e da gravidade de irregularidades encontradas nas ações de fiscalização, aumento do engajamento entre ANP e mercado e aproximação com os órgãos ambientais.
Ao longo do evento, foram debatidos temas como estratégias das empresas para fortalecimento da segurança operacional, sobretudo em relação ao tratamento das causas dos principais acidentes relacionados aos itens “perda de contenção de gás inflamável” e “princípio de incêndio”;  opiniões da indústria sobre a futura regulamentação de descomissionamento e as práticas internacionais;  revisão do Sistema de Gerenciamento da Segurança Operacional (SGSO) com foco no impacto da interface humana para o desenvolvimento da cultura de segurança.
A Agência fará outro evento sobre segurança operacional, específico sobre resposta conjunta a grandes emergências com compartilhamento de recursos, em parceria com o Norwegian Oil Spill Control Association (Nosca), com a participação do Ibama e das principais empresas do setor. O evento será um passo importante para o processo de revisão da legislação ambiental que não permite, atualmente, planos compartilhados de resposta à emergência. O objetivo é garantir a otimização das atividades, gerando uma resposta mais efetiva e rápida a emergências